História

História

O II Congresso Internacional de Fenomenologia e Psicologia (II CIFP) e IV Congresso Brasileiro de Psicologia e Fenomenologia (IV CBPF), a ser realizado entre os dias 22 e 24 de julho de 2019, na cidade de Curitiba-PR, com o tema “Fenômenos Psicológicos e Saúde” consolida uma tradição iniciada em 2009, e um conjunto de parcerias que redundaram na criação de dois inéditos Grupos de Trabalho na ANPEPP – Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Psicologia: o GT Psicologia & Fenomenologia em 2014 e 2016; e em 2018, o GT Fenomenologia, Saúde e Processos Psicológicos.

O Congresso Internacional de Fenomenologia e Psicologia (CIFP) e o IV Congresso Brasileiro de Psicologia e Fenomenologia (CBPF) se apresentam como eventos ímpares dentro do campo das ciências humanas no Brasil. O presente evento agrega as principais iniciativas que se dedicam à fenomenologia no Brasil como os dois Grupos de Trabalho da ANPEPP, o GT de Fenomenologia da ANPOF (Filosofia), a Associação Brasileira de Psicologia Fenomenológica (ABRAPFE), a Associação de Pesquisas em Fenomenologia (APFENO), grupos de pesquisas os mais diversos – como o Laboratório de Fenomenologia e Subjetividade (UFPR/CNPq), principal promotor do evento – e cerca de duas dezenas de outros Grupos de Pesquisa certificados.

 

Nossa História

O I Congresso Internacional de Fenomenologia e Psicologia aconteceu na cidade de Brasília/DF, em 2017, com o tema “Fenomenologia, Ciência e Sociedade: Diálogos Necessários”. Em 2019, o evento se soma aos seguintes Congressos Brasileiros:

– O I Congresso Brasileiro de Psicologia e Fenomenologia, cuja primeira edição aconteceu em 2013, na cidade de Curitiba/PR, com o tema “Corpo, Existência e Cognição: Fundamentos e Diversidade”, e teve cerca de 400 participantes e 156 trabalhos apresentados;

– O II Congresso Brasileiro de Psicologia e Fenomenologia também aconteceu em Curitiba/PR, no ano de 2015, com a temática “Pensar e Fazer Fenomenologia no Brasil”, onde foram apresentados 236 trabalhos e público de 600 inscritos; e,

– O III Congresso Brasileiro de Psicologia e Fenomenologia reuniu cerca de 500 participantes na cidade de Natal/RN, em 2017, com o tema “O Desassossego Humano na Contemporaneidade”, sendo que nessa oportunidade foram apresentados 185 trabalhos.

Os eventos também sempre prezaram pela pluralidade de pensamento e qualidade das discussões ofertadas e, para tal, contaram com a presença de conferencistas de países como Argentina, França, Itália, México, Polônia e Portugal, além de professores das melhores universidades do Brasil. Esses eventos deram continuidade às iniciativas dos congressos Sul-Brasileiro, realizados desde 2009:

– O I Congresso Sul-Brasileiro de Fenomenologia, em sua primeira edição, em 2009, propôs como tema do evento “Fenomenologia e Psicologia: Diálogos e Interlocuções”, e já apontava como objetivos: “Apresentar e divulgar trabalhos e pesquisas em abordagem fenomenológica e humanista em psicologia e propiciar um diálogo aberto e interdisciplinar com as demais abordagens em Psicologia e saberes sobre o humano e o existir”. Embora definido como um evento regional, contou com a presença de acadêmicos de 15 estados brasileiros, das cinco regiões do país, contando, ao final, com 260 participantes. As apresentações orais tiveram a participação de 17 convidados nacionais e 72 trabalhos apresentados.

– Em 2011, o II Congresso Sul-Brasileiro de Fenomenologia propôs o tema “Vínculo, Relação e Diálogo”, visando a discutir a relação do homem com o mundo, as coisas e os outros. Essa edição já teve um número maior de participantes (340), 100 trabalhos apresentados e a presença de 28 convidados de todas as regiões do país. Tal como na versão anterior, o âmbito de alcance do congresso se manteve nacional.

– O III Congresso Sul-Brasileiro de Fenomenologia e I Congresso Brasileiro de Psicologia & Fenomenologia contaram com a apresentação de 156 trabalhos. O evento de 2013 teve um significado importante para a fenomenologia no Brasil, por ter dado andamento a discussões em torno da criação da Associação Brasileira de Psicologia Fenomenológica (Abrapfe), que não foi adiante, por questões burocráticas (a mesma proposta foi retomada em 2018). Foi também durante este congresso que ocorreu a primeira reunião formal do GT-Anpepp de Psicologia & Fenomenologia, cuja apresentação oficial aconteceu no XV Simpósio da Anpepp, em Bento Gonçalves.

– O II Congresso Brasileiro Psicologia & Fenomenologia e o IV Congresso Sul- Brasileiro de Fenomenologia de 2015 foi realizado em Curitiba/PR com o tema “Pensar e Fazer Fenomenologia no Brasil”. O evento ocorreu com duas conferências e 16 mesas redondas e contou também com a participação de 35 pesquisadores de diversas instituições de programas de pós-graduação do Brasil. Teve 601 inscrições de pessoas de todo o país, apresentação de 236 trabalhos e a publicação posterior dos Anais do evento na forma eletrônica.

– O III Congresso Brasileiro de Psicologia e Fenomenologia reuniu cerca de 500 participantes na cidade de Natal/RN, em 2017, com o tema “O Desassossego Humano na Contemporaneidade”, sendo que nessa oportunidade foram apresentados 185 trabalhos. O I Congresso Internacional de Fenomenologia e Psicologia aconteceu na cidade de Brasília/DF em 2017 com o tema “Fenomenologia, Ciência e Sociedade: diálogos necessários”.

A presente edição consolida ainda parceria com os Encontros de Psicologia, Fenomenologia e Realidade Brasileira, iniciado em 2012, com o tema “Aspectos sócio-culturais e Políticas Públicas”, realizado em Uberaba/UFTM, MG; o II Encontro de Psicologia, Fenomenologia e Realidade Brasileira, com o  tema “Consciência, Mente e Corpo: Fenomenologia e Psicologia Cognitiva”, teve lugar em 2013, na UFU/Uberlândia, MG.; e o terceiro, realizado em 2014, produziu ainda o I Simpósio Internacional de Fenomenologia e Ciências Cognitivas, novamente na UFU/Uberlândia, MG.

Destas parcerias e heranças, surgiu – em 2017 – a primeira edição desse nosso evento, que se consolida agora em novos ordenamentos, mas mantendo sua tradição de abertura, de diversidade e de uma posição digna com as contribuições do movimento fenomenológico.

 

Antecedentes

Foram inúmeros os projetos que buscaram os mesmos objetivos que os aqui apresentados por esse Congresso. A história das relações entre a Fenomenologia e a Psicologia (ou as Ciências Humanas) remonta ao final dos anos 1920, mas conhece mais profundidade a partir dos anos 1940 (Nota 1[i]).

Mas, como estamos resgatando as parcerias que aqui se consubstanciam, neste novo Congresso, cabe-nos recordar dois conjuntos de eventos importantes, cujos objetivos confluíram para projetos similares, e que deixaram sementes, agora concretizadas. Referimo-nos, primeiramente, aos Encontros de Psicologia Humanista do Interior Paulista, organizados em Campinas, SP, entre 1999 e 2001.

Em sua primeira edição, o I Encontro de Psicologia Humanista do Interior Paulista (16 a 18 de abril de 1999) buscou resgatar as fontes e os atores que protagonizaram a entrada de importantes perspectivas psicológicas e psicoterápicas no Brasil, como a Gestalt-Terapia e a Abordagem Centrada na Pessoa. Já caminhando para aproximações e paralelos com a Fenomenologia e as Filosofias da Existência, o II Encontro de Psicologia Humanista do Interior Paulista (20 a 23 de abril de 2000) trouxe ampliações, tornando o evento – originalmente regional – num congraçamento nacional. Até que, entre 27 de abril e 1º de maio de 2001, o III Encontro de Psicologia Humanista do Interior Paulista recebeu a clara marca do pensamento fenomenológico, sendo abrilhantado com personalidades de renome nacional como os dos Profs. Carlos Brandão, Newton Aquiles von Zuben e da inestimável contribuição de Antonio Gomes Penna. Criava-se, ali, o solo que – futuramente – se consolidou nos dois GTs da Anpepp, com a participação de vários nomes atualmente ativos nos diversos PPGs do país.

Não podemos nos esquecer, ainda, de mencionar a VI Conferência Internacional sobre Filosofia, Psiquiatria e Psicologia – vinculada ao movimento PPP (Philosophy, Psychiatry and Psychology), surgido em 1996 – e que, graças ao empenho dos Profs. Ileno Izidio da Costa e Francisco Martins, ambos da Universidade de Brasília, trouxeram para a Capital Federal este prestimoso evento, com a temática central “Ética. Linguagem e Sofrimento”, no ano 2002.

O que todos esses eventos tem em comum é o fato de pautarem no rigor do pensamento fenomenológico, na dialética do diálogo constante com as diferenças e a perspectiva, ora concretizada, de aberturas e ampliações.

[i] Nota 1 – Para maiores informações sobre essas relações entre Psicologia e Fenomenologia no Brasil, indicamos algumas referências:

Guimarães, A. C. (2000). O pensamento fenomenológico no Brasil. Revista Brasileira de Filosofia, 50(198), 258-267.

Holanda, A. F. (2012). O método fenomenológico em psicologia: uma leitura de Nilton Campos. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 12(3), 833-851. Recuperado em 10 de abril de 2019, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812012000300007&lng=pt&tlng=pt .

Holanda, A.F. (2016). Fenomenologia e Psicologia no Brasil: aspectos históricos. Estud. psicol. (Campinas) [online]. 2016, vol.33, n.3, pp.383-394. ISSN 0103-166X.  http://dx.doi.org/10.1590/1982-02752016000300002.

Paim, A. (1979). Bibliografia filosófica brasileira. Período contemporâneo (1931-1977). São Paulo: GRD/INL.

Paim, A. (2010). "O movimento fenomenológico brasileiro". In M. C. Natário, A. B. Teixeira, & R. Epifânio (Coords.), O movimento fenomenológico em Portugal e no Brasil (pp.123-140). Lisboa: Zéfiro.

Radecki, W. (1928). Resumo do Curso de Psychologia. Rio de Janeiro: Imprensa Militar.

Radecki, W. (1929). Trabalhos de Psychologia - Annaes da Colonia de Psychopathas. Rio de Janeiro: Laboratorio de Psychologia na Colonia de Psychopathas em Engenho de Dentro.